Hackers invadem Twitter do governo dos EUA; simpatizantes do Estado Islâmico são suspeitos

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015 21:36 BRST
 

WASHINGTON (Reuters) - A conta no Twitter do Comando Militar dos Estados Unidos, que supervisiona as operações no Oriente Médio, foi invadida nesta segunda-feira por pessoas que se mostraram simpatizantes do grupo militante Estado Islâmico, alvo de bombardeios norte-americanos.

Autoridades norte-americanas disseram que a conta no Twitter e no YouTube do Comando Central foram suspensas, depois de serem comprometidas. Duas autoridades da área de defesa do país, falando em condição de anonimato, afirmaram que a ação hacker era um constrangimento, mas não parecia ser uma ameaça à segurança.

A Casa Branca disse que monitorava a extensão do incidente.

"Em nome de Alá, o Clemente, o Misericordioso, o cibercalifado continua sua ciberjihad”, disse o Twitter do Comando Central depois de hackeado.

A conta tinha diversas mensagens dos hackers, incluindo uma para que os soldados norte-americanos se cuidassem. A conta no YouTube tinha dois vídeos que pareciam ter ligação com o Estado Islâmico.

A conta no Twitter publicou uma lista de generais e endereços. Tuítes posteriores diziam “Redes do Pentágono hackeadas! Cenários chineses” e “Redes do Pentágono hackeadas. Cenários coreanos”.

"Nós podemos confirmar que o Twitter e o YouTube do Comando Central foram comprometidos hoje. Estamos tomando as medidas apropriadas para resolver o tema”, disse o Comando Central em comunicado.

O presidente norte-americano, Barack Obama, está preparando novas propostas para proteger os Estados Unidos de ciberameaças a sua segurança.

Depois da ação hacker, no topo da conta do Comando Central no Twitter aparecia uma figura num cachecol preto e branco e as palavras “Cibercalifado” e “Eu amo você ISIS”, a sigla do Estado Islâmico.

O Comando Central tem sua base na Flórida e é responsável pelas operações militares no Oriente médio e na região central da Ásia. Supervisiona as guerras no Iraque e no Afeganistão e gerencia os ataques aéreos contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria.

(Reportagem de Doina Chiacu)

 
Imagem da tela de um computador mostra a conta no Twitter do Comando Militar dos EUA, que foi invadida por hackers nesta segunda-feira. 12/01/2015 REUTERS/Staff