Adiamento de assembleia da Portugal Telecom mantém incerteza sobre venda de ativos da Oi

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015 18:03 BRST
 

LISBOA/RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os acionistas da Portugal Telecom SGPS decidiram nesta segunda-feira adiar em 10 dias a assembleia para analisar a venda dos ativos portugueses da Oi ao grupo Altice, mantendo as dúvidas de investidores sobre a operação de 7,4 bilhões de euros essencial para o futuro da operadora brasileira.

Segundo analistas, o adiamento fará com que investidores penalizem ainda mais as ações da Oi, que fecharam em queda de quase 14 por cento na BM&FBovespa, nesta segunda-feira. Em 2015, os papéis da empresa já acumulam baixa de 34 por cento.

Analistas consideram a possibilidade do grupo francês desistir da compra caso haja novo adiamento na próxima reunião. "Acredito que a Altice vai esperar os 10 dias. Mas se houver novo adiamento dia 22 de janeiro, é grande a chance de desistirem da oferta", disse Celson Plácido, estrategista da XP Investimentos.

"Esse cenário seria muito ruim para a Oi", que até setembro passado tinha dívida líquida de cerca de 48 bilhões de reais e caixa disponível de 3,8 bilhões, acrescentou Plácido.

A venda dos ativos portugueses é uma operação importante para a Oi, que está sob pressão para reduzir sua dívida e ter recursos para seguir investindo em seus negócios no Brasil. A empresa também pretende participar de uma eventual consolidação no mercado de telecomunicações brasileiro.

Em comunicado, a operadora brasileira disse ter apoiado a suspensão da assembleia após pedidos de esclarecimentos do regulador dos mercados de Portugal.

A Oi salientou que a venda é o melhor para todos os acionistas, reafirmando que a operação habilitará a companhia a participar do processo de consolidação no Brasil. A Oi também reafirmou compromisso de migrar suas ações para o segmento Novo Mercado, o de governança mais elevada da BM&FBovespa, mas não informou nesta segunda-feira perspectiva de prazo para isso.

PROTESTO   Continuação...