Samsung busca mais clientes para seu negócio de chips e telas

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015 09:31 BRST
 

SEUL (Reuters) - Enquanto a Samsung vende menos smartphones, o negócio de componentes do grupo sul-coreano está sob pressão para garantir clientes externos para chips e telas, incluindo colocar essas peças em aparelhos de rivais.

A Samsung Display começou a fornecer painéis de diodos orgânicos emissores de luz (Oled) para as fabricantes chinesas de smartphones Lenovo, Coolpad, Oppo Electronics e Vivo Electronics.

E a subsidiária disse que está à procura de mais clientes, com a intenção de ter metade de suas receitas totais em 2017 com a venda para clientes externos, partindo de pouco acima de um terço em 2013.

Executivos da indústria estimam que clientes externos respondam por cerca de um quinto das vendas da Samsung Display de telas de smartphones e tablets, comparados a cerca de 50 por cento para telas maiores de TVs, revelando a necessidade de mais clientes móveis.

O negócio de chips da Samsung também tenta crescer sua base de clientes após um fraco 2014. Alguns analistas afirmam que o negócio perdeu mais de 1 bilhão de dólares no ano passado com as vendas declinantes de smartphones Galaxy e a perda de contrato para fornecer processadores ao iPhone 6 da Apple.

O próximo Galaxy S da Samsung deve ser equipado com seu próprio processador Exynos, após a Qualcomm ter dito que um importante cliente não usará seu chip Snapdragon num aparelho.

A Samsung não comentou a informação, mas outra fonte próxima ao tema disse que a proporção de telefones Galaxy S da próxima geração equipados com chips Exynos deverá aumentar na comparação com versões anteriores.

Um lançamento de sucesso do novo aparelho poderá ajudar a empresa a ganhar mais pedidos externos. A Samsung disse no mês passado que estava conversando com outros clientes sobre fornecer seus processadores Exynos.

(Por Se Young Lee)

((Tradução Redação Rio de Janeiro, 55 21 2223 7155))

REUTERS LB AAP

 
Fotografia ilustrativa de pessoas em frente uma tela com o logo da Samsung projetado. 29/10/2014    REUTERS/Dado Ruvic