Com acordo antitruste fechado, Qualcomm ainda enfrenta desafios na China

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015 15:19 BRST
 

SAN FRANCISCO/PEQUIM (Reuters) - Mesmo depois de concordar em pagar uma multa recorde de quase 1 bilhão de dólares na China por violações antitruste, a fabricante de chips norte-americana Qualcomm enfrenta grandes desafios em seu mercado mais importante.

Enquanto fabricantes de smartphones de baixo custo e baixa margem chinesas como Xiaomi e Huawei Technologies pressionam em mercados em desenvolvimento, elas estão derrubando os preços médios de aparelhos -- má notícia para a Qualcomm, companhia com sede em San Diego, que recolhe royalties com base no valor do aparelho.

A Qualcomm poderia ver suas margens caírem, corroendo seus lucros, enquanto empresas como a Xiaomi e Huawei levam seus dispositivos de baixo orçamento para mercados como a Índia e a América Latina.

"Você tem todas essas empresas chinesas - como Xiaomi, Huawei e Lenovo - que querem ter presença global e conquistar quota da Samsung Electronics, HTC e, presumivelmente, até mesmo a Apple, mas eles irão fazê-lo a níveis de preço muito mais baixos", disse a analista da Bernstein, Stacy Rasgon.

Enquanto as vendas de dispositivos mais caros, como o iPhone, da Apple, permanecem robustas - e geram grandes lucros para a Qualcomm - os preços médios de venda de smartphones nos países em desenvolvimento cairão para 102 dólares em 2018 ante 135 dólares no ano passado, prevê o IDC. Nos Estados Unidos, smartphones são vendidos muitas vezes vendem por mais de 600 dólares, quando não há contrato com uma operadora de telefonia.

(Por Noel Randewich e Gerry Shih)