Telecom Italia amplia gastos e desacelera redução de dívida

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015 18:32 BRST
 

MILÃO/LONDRES (Reuters) - A Telecom Italia divulgou nesta sexta-feira nova queda nas vendas e no lucro, mas disse que o ritmo do declínio estava desacelerando, enquanto a empresa amplia os gastos em redes móveis e fixas mais rápidas na Itália e no Brasil, onde controla a TIM Participações.

Ao divulgar seu novo plano de investimentos, a companhia altamente endividada disse que gastará 14,5 bilhões de euros (16,4 bilhões de dólares) nos próximos três anos em mais cabos de fibra óptica na Itália e na ampliação de sua rede de celular no Brasil.

Como resultado, alertou que terá de economizar recursos, então não haverá retomada do pagamento de dividendos para ações ordinárias e demorará mais para reduzir sua dívida líquida de 26,65 bilhões de euros, que caiu apenas 156 milhões de euros no ano passado.

O presidente-executivo da Telecom Italia, Marco Patuano, descartou nesta sexta-feira qualquer aquisição, tanto na Itália como no Brasil, onde a TIM é a segunda maior operadora de celular depois da Vivo, da Telefónica.

Após ter perdido para a Telefónica a oferta de compra da operadora de banda larga GVT no ano passado, Patuano foi incumbido pelo Conselho da empresa italiana a considerar a possibilidade de comprar a Oi que, apesar de ser a menor das quatro principais operadoras de celular no Brasil, tem a maior rede fixa do país.

Mas ele disse nesta sexta-feira não ter encontrado nenhum atrativo na Oi.

"Levamos apenas 45 dias para realizar a due dilligence na GVT, enquanto estamos trabalhando na Oi há quatro meses e concluímos que criar valor não é tão óbvio", disse.

No entanto, ele não descartou a possibilidade de a TIM ser vendedora no Brasil.

"Não sairíamos do Brasil, dada a oportunidade de mercado no país, mas isso não significa que se alguém colocar o valor correto nós não sentaríamos para conversar", acrescentou.   Continuação...