China diz que empresas de tecnologia não devem temer lei antiterrorismo

quarta-feira, 4 de março de 2015 07:54 BRT
 

Por Gerry Shih e Paul Carsten

PEQUIM (Reuters) - A lei antiterrorismo proposta pela China não afetará os interesses legítimos de empresas de tecnologia, disse uma importante porta-voz chinesa nesta quarta-feira ,depois que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, alertou sobre o impacto da legislação e pediu alterações.

As propostas da China, que poderiam exigir das empresas de tecnologia que forneçam chaves de criptografia e instalem backdoors concedendo acesso à aplicação da lei para investigações antiterroristas, provocou críticas de Obama, que disse à Reuters em entrevista nesta semana que a China teria que alterar o projeto de lei se fosse "fazer negócios com os Estados Unidos".

Fu Ying, porta-voz parlamentar chinesa, disse que muitos governos Ocidentais, incluindo Washington, fizeram pedidos similares para a chaves de criptografia, enquanto as companhias chinesas que operam nos EUA há tempos são sujeitas a intensas verificações de segurança.

As propostas da China estão "de acordo com princípios da lei de administração chinesa bem como práticas internacionais comuns e não afetarão os interesses razoáveis das empresas de Internet", disse Fu.

Lobistas empresariais estrangeiros dizem que as regras estão injustamente varrendo nomes como Cisco e Microsoft para fora da segunda maior economia do mundo, enquanto autoridades chinesas apontam que Huawei e ZTE Corp, duas fabricantes chinesas de equipamentos para telecomunicações, têm sido efetivamente deixadas de fora do mercado dos EUA por motivos de segurança cibernética.

(Reportagem adicional da Redação Pequim e de Sue-Lin Wong, em Xangai)