Fabricante chinesa de smartphones Xiaomi iniciará produção na Índia

quinta-feira, 12 de março de 2015 16:54 BRT
 

NOVA DÉLHI/BOMBAIM (Reuters) - A fabricante chinesa de smartphones Xiaomi disse nesta quinta-feira que investirá mais e iniciará a produção local em um prazo de 12 a 18 meses na Índia, um dos mercados de crescimento mais rápido e atualmente dominado pela Samsung Electronics e empresas locais como Micromax.

A companhia chinesa de cinco anos de existência, cujo nome significa "pequeno arroz", entrou no mercado indiano em julho do ano passado e é caracterizada por aparelhos mais baratos, mas com diversas funcionalidades e que se provaram um sucesso, com vendas de mais de 1 milhão de telefones em cinco meses.

"Queremos investir profundamente nesse mercado, queremos ter uma quantidade significativa de pesquisa e desenvolvimento aqui -- não apenas para a Índia, mas para o resto do mundo", disse o brasileiro Hugo Barra, vice-presidente de operações internacionais da Xiaomi.

A Xiaomi, que já é a quinta maior companhia de telefone no mercado indiano, está avaliando várias locações para estabelecer uma fábrica e está em conversas com parceiros locais e governos estaduais, disse Barra, acrescentando que o processo deve levar ao menos um ano.

Os comentários de Barra ilustram quão importante é o mercado indiano para a Xiaomi, avaliada em 45 bilhões de dólares após uma rodada de financiamento de dezembro, disse Neil Shah, pesquisador da consultoria com sede em Bombaim Counterpoint Research.

Barra não disse quanto a Xiaomi está preparada para investir na Índia, seu maior mercado fora da China, mas afirmou que a companhia está buscando colocar dinheiro em empresas iniciantes e centros de serviço.