Coreia do Sul culpa Coreia do Norte por invasão de sistema de operador nuclear

terça-feira, 17 de março de 2015 11:06 BRT
 

Por Ju-min Park e Meeyoung Cho

SEUL (Reuters) - A Coreia do Sul culpou nesta terça-feira a Coreia do Norte por ataques cibernéticos em dezembro contra a operadora de reatores nucleares do país, com base em investigações de endereços da Internet utilizados na invasão do sistema da empresa, mas o governo norte-coreano nega qualquer envolvimento.

A conclusão da Justiça sul-coreana foi divulgada menos de uma semana depois que um hacker --que as autoridades acreditam esteja por trás dos ataques cibernéticos contra a Companhia de Energia Nuclear e Hidrelétrica da Coreia-- expôs mais arquivos que teriam sido capturados em dezembro.

A investigação incluiu o vazamento da semana passada de uma planta e dados de testes.

"Os códigos maliciosos usados ​​na invasão do operador nuclear eram os mesmos em composição e métodos de trabalho do chamado 'kimsuky', que hackers norte-coreanos usam", disse um comunicado do gabinete da procuradoria central em Seul.

Os promotores disseram que os ataques cibernéticos foram feitos entre 9 e 12 de dezembro, por meio do envio de 5.096 e-mails de phishing contendo códigos maliciosos para 3.571 empregados da operadora da usina nuclear.

Um artigo publicado pelo site semioficial Uriminzokkiri, da Coreia do Norte, afirma que a alegação da Coreia do Sul é "absurda" e uma "provocação", repetindo negativas anteriores de envolvimento do país.

A Coreia do Sul havia dito anteriormente que suspeitava de possível envolvimento da Coreia do Norte no hacking e tinha procurado a ajuda de funcionários chineses depois de constatar que vários endereços de Internet envolvidos no ataque provinham de uma cidade no nordeste da China, perto do território norte-coreano.

Em dezembro, a companhia sul-coreana, que opera 23 reatores nucleares, informou que seus sistemas de computador tinham sido invadidos, mas apenas dados não-críticos haviam sido roubados. Na época, um hacker exigiu o desligamento de três reatores e ameaçava promover "destruição", em mensagens postadas no Twitter.

Mais arquivos foram postados no Twitter na quinta-feira, exigindo dinheiro e dando um endereço de e-mail onde o hacker poderia ser contatado, além de alegar que havia ofertas de outros países para comprar dados relacionados às centrais nucleares.

As invasões de dezembro contra a empresa ocorreram depois que os Estados Unidos responsabilizaram a Coreia do Norte por um grave ataque cibernético contra a Sony Pictures e prometeram responder proporcionalmente.