Conselho do Yahoo avalia futuro da companhia e de Marissa Mayer, diz fonte

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015 16:21 BRST
 

SÃO FRANCISCO/BANGALORE (Reuters) - O Conselho de Administração do Yahoo está avaliando a venda da área principal de negócios de Internet durante reunião nesta semana, afirmou uma fonte com conhecimento do assunto.

A reunião acontece em meio a um debate mais amplo sobre o futuro da companhia e da presidente-executiva Marissa Mayer.

O jornal The Wall Street Journal publicou no final da terça-feira a possível venda da divisão de Internet da companhia. Fontes com conhecimento do assunto afirmaram ao jornal que o Conselho deve também discutir durante a reunião que vai desta quarta-feira até sexta-feira se a empresa vai prosseguir com plano para se separar de 30 bilhões de dólares em ações da chinesa Alibaba. A companhia também poderá buscar ambas as opções, afirmou o jornal.

A divisão de Internet do Yahoo, que inclui serviços populares como o Yahoo Mail e sites de notícias e de esportes, pode atrair empresas de investimento, de mídia e de telecomunicações ou grupos como Softbank, disseram analistas.

O Yahoo não comentou o assunto.

Mayer, que saiu do Google para o Yahoo, enfrenta crescente pressão sobre a performance da companhia. A chegada da executiva criou expectativas elevadas sobre uma rápida recuperação do Yahoo, que enfrenta dificuldades para crescer seus negócios com publicidade de forma a competir com os líderes do setor Google e Facebook.

As esperanças ruíram depois que o plano do Yahoo para buscar anúncios em celulares, em vídeos e mídia social, estratégia que Mayer lançou em 2014, não conseguiu elevar receitas da empresa.

A aquisição do Tumblr por 1,1 bilhão de dólares em 2013 também teve problemas, com investidores argumentando que Mayer pagou demais por um produto não lucrativo. O negócio elevou a base de usuários do Yahoo para cerca de 1 bilhão mas não trouxe anunciantes.

 
Marissa Mayer, presidente-executiva do  Yahoo, participa de um painel de discussões no Fortune Global Forum 2015 em San Francisco, Califórnia. 3/11/2015. REUTERS/Elijah Nouvelage