Executivo francês Niel vê a Telecom Italia como predadora

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015 16:36 BRST
 

MILÃO (Reuters) - O executivo francês Xavier Niel vê a Telecom Italia como uma predadora mais do que como uma presa na consolidação do mercado de telecomunicações da Europa e tem ideias sobre como fortalecer o grupo após emergir como potencialmente seu segundo maior investidor, disse ele a um jornal.

A Telecom Italia tem estado no centro de uma especulação febril desde que Niel revelou em outubro que havia comprado opções que entregariam a ele 15,1 por cento da empresa, atrás do grupo francês de mídia Vivendi, com uma parcela de 20 por cento.

Em seus primeiros comentários detalhados desde então, Niel disse ao jornal italiano La Stampa que era um investidor industrial no grupo e não um "incursor" financeiro. No entanto, ele não quis comentar se planeja converter suas opções em ações.

Niel disse que a altamente endividada Telecom Italia, que tem lutado por anos com a falta de uma estratégia clara e é lembrada como um potencial alvo de aquisições, tinha "todo o necessário", para se tornar uma agregadora no mercado de telecomunicações europeu.

"Me parece que há uma opinião difundida que deveria ser um alvo... mas eu realmente não acho isso", disse Niel, fundador da operadora de telefonia móvel de baixo custo Iliad.

O fato de que a Telecom Italia tem operações na Itália e no Brasil mas em nenhum outro lugar na Europa era uma oportunidade, ele adicionou.

Niel disse que não estava agindo em nome de qualquer outro participante do mercado e disse que não sabia se a Orange, frequentemente apontada como uma possível candidata à Telecom Italia, estava interessada.

Ele disse que a Telecom Italia era uma "operadora fantástica" com uma administração razoavelmente boa, mas também tinha algumas fraquezas.

"Eu tenho algumas ideias", ele disse ao jornal." Você precisa dar (à Telecom Italia) a capacidade de investir para crescer em fibra ótica e redes de 4G para aparelhos móveis, então isso pode gerar receitas maiores, mas ainda manter as tarifas baixas."

Ecoando comentários feitos pela Vivendi esta semana, Niel disse que a Telecom Italia precisava se tornar um membro importante no desenvolvimento da rede de banda larga ultrarrápida da Itália - projeto favorito do primeiro-ministro Matteo Renzi.

(Por Agnieszka Flak; reportagem adicional por Alberto Sisto em Roma)