China diz que empresas de tecnologia não precisam temer lei antiterror

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 10:41 BRST
 

PEQUIM (Reuters) - As companhias de tecnologia não têm o que temer diante da nova lei antiterror da China que pretende evitar atividades terroristas e não afeta o copyright das mesmas, disse o chanceler chinês nesta quarta-feira, rejeitando críticas norte-americanas.

O projeto de lei antiterror causou preocupações no Ocidente já que exigirá que empresas de tecnologia instalem "back doors" (portas de acesso dissimuladas) em produtos ou que entreguem informações sensíveis tais como chaves de criptografia para o governo.

Nesta semana, o Departamento de Estado norte-americano disse que expressou "sérias preocupações" à China sobre a lei que poderia causar mais malefícios do que benefícios contra a ameaça do terrorismo.

O porta-voz da chancelaria chinesa, Hong Lei, disse que não estava satisfeito com a posição dos EUA e que esperava que o país respeitasse os processos legislativos chineses e não adotasse "padrões duplos".

A China enfrentou sérias ameaças terroristas e precisou melhorar sua legislação para lidar com o problema, disse Hong, acrescentando que os terroristas têm usado a Internet para operar e que a China precisava de leis para lidar com isso.

(Por Ben Blanchard)