EXCLUSIVO-Conselho da Telecom Italia e Oi iniciaram conversas preliminares sobre fusão, dizem fontes

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016 19:06 BRST
 

Por Guillermo Parra-Bernal e Tatiana Bautzer e Leonardo Goy

SÃO PAULO/BRASÍLIA (Reuters) - A Oi iniciou conversas com a rival TIM para uma potencial fusão, com discussões inicialmente focadas em questões de governança, disseram duas fontes com conhecimento direto do assunto.

O Conselho da Telecom Italia, que controla a TIM, e o presidente-executivo da Oi, Bayard Gontijo, estão liderando as conversas, que também consideram possíveis mudanças nas regras da indústria de telecomunicações brasileira que podem favorecer a união, disseram as fontes.

Nenhuma das fontes disse quando as conversas entre o Conselho da Telecom Italia e a Oi começaram. Essas discussões, que não envolveram um eventual valor para uma operação de união das empresas, podem estabelecer as bases para uma proposta final de fusão entre TIM e Oi, disseram as fontes.

Uma terceira e uma quarta fontes disseram que o assessor da Oi no processo, o grupo BTG Pactual, deve apresentar uma proposta de fusão antes do fim de janeiro. O plano incluirá a participação da LetterOne Holdings, do bilionário russo Mikhail Fridman, com uma injeção de até 4 bilhões de dólares na Oi, disseram as mesmas fontes.

O Bank of America Merrill Lynch e o Bradesco BBI são os bancos contratados pela Telecom Italia e TIM para avaliar o negócio. A Oi e o BTG Pactual poderão contratar mais dois bancos para atuar como assessores e fornecedores de crédito para a operação, afirmou a segunda fonte.

Enquanto Oi e BTG Pactual querem que a LetterOne se torne acionista da empresa combinada, a Telecom Italia não vê o envolvimento da empresa russa de investimento como absolutamente necessário, disse a primeira fonte. A LetterOne tem um período de sete meses de exclusividade para o acordo Oi-TIM que expira em maio.

Telecom Italia, Oi, BTG Pactual e LetterOne não comentaram o assunto.

As ações ordinárias da Oi, que recuavam cerca de 3 por cento pouco antes da notícia, reverteram as perdas no ajuste de fechamento e terminaram o dia com alta de 3,66 por cento, a 2,55 reais, enquanto o Ibovespa caiu 2,58 por cento. Já os papéis da TIM fecharam em queda de 2,5 por cento.   Continuação...