Europeia Altice quer comprar ativos portugueses da Oi, diz fonte

segunda-feira, 6 de outubro de 2014 17:35 BRT
 

(Reuters) - A companhia francesa de telecomunicações Altice, do bilionário Patrick Drahi, pretende adquirir os ativos portugueses da operadora brasileira Oi, disse à Reuters uma fonte próxima do assunto.

"As conversas começaram algumas semanas atrás e estão relativamente avançadas", disse a fonte.

Enfrentando crescente competição no mercado brasileiro com operadoras estrangeiras, a Oi anunciou em outubro de 2013 planos para uma fusão com a Portugal Telecom. A Portugal Telecom já transferiu seus ativos para a Oi e retém uma fatia minoritária na empresa a ser criada com a fusão.

Mais cedo, a Bloomberg publicou que a Altice está tentando chegar a um acordo sobre os ativos portugueses em algumas semanas. Executivos de Portugal Telecom e Oi e do Grupo Andrade Gutierrez, um dos controladores da operadora brasileira, não comentaram.

De acordo com Juarez Quadros, ex-ministro das Comunicações do Brasil e hoje sócio da consultoria Orion, a venda dos ativos portugueses da Oi pode significar uma marcha ré no processo de fusão com a Portugal Telecom. "A questão da dívida da Rioforte provocou um ruído", declarou. "Isso pode ser ainda desdobramento dessa questão que os portugueses provocaram."

O calote de uma dívida de quase 1 bilhão de euros da Rioforte, holding do Grupo Espírito Santo, que é o principal sócio da Portugal Telecom, ameaçou a união luso-brasileira em julho. Para garantir a fusão, a Portugal Telecom aceitou entregar ações da Oi à empresa brasileira em troca de títulos de dívida vencidos e não pagos pela Rioforte.

Na ocasião, os controladores da Oi, que faziam parte do Conselho da Portugal Telecom, pediram para sair do órgão, alegando que não tinham sido informados da dívida pelos sócios portugueses antes da informação ter sido divulgada pela imprensa.

"Se vender os ativos, a Oi poderá reduzir sua dívidas e melhorar seu perfil para fortalecer sua operação no Brasil", disse Quadros, lembrando, porém, que o mercado também trabalha com a possibilidade de uma fusão entre Oi e TIM.

Na sexta-feira, uma fonte com conhecimento do assunto disse à Reuters que a TIM contratou o banco de investimento do Bradesco para analisar uma oferta para compra da rival Oi. Isso ocorreu depois que a Oi contratou o BTG Pactual em setembro para analisar uma possível oferta conjunta pela TIM com a América Móvil.   Continuação...