ENTREVISTA-Netshoes aposta em novos meios de entrega, mantém plano de IPO nos EUA no radar

terça-feira, 7 de outubro de 2014 14:05 BRT
 

Por Marcela Ayres

SÃO PAULO (Reuters) - Maior empresa de comércio eletrônico de artigos esportivos do mundo, a Netshoes vem apostando em diferentes modalidades de entrega para reduzir gastos com o serviço, conforme concentra esforços para tentar operar no azul.

Em entrevista à Reuters, a vice-presidente de operações da companhia, Graciela Tanaka, afirmou que os custos com entregas foram cortados pela metade desde que a empresa iniciou em 2011 um plano de sustentabilidade de médio a longo prazos, que previa a cobrança por novos tipos de envio.

"Quando o e-commerce estava começando no Brasil, ele tinha que ter alguns atrativos para ser o chamariz para o consumidor. Naquela época foi a entrega grátis, o parcelamento em 12 vezes", afirmou ela à Reuters, acrescentando que as práticas não seriam sustentáveis indefinidamente do ponto de vista financeiro.

Atualmente, a companhia oferece até quatro opções de frete dependendo da região do comprador, sendo que, para não pagar nada, o internauta leva mais tempo para receber a encomenda em casa.

Dentre as novidades recentes da empresa está o envio "super expresso" de produtos de grande volume por meio de um projeto piloto na Grande São Paulo. O preço do envio é de 59,90 reais (entrega de 10 a 50 quilos) ou de 79,90 reais (de 59 a 200 quilos) e a modalidade realiza a entrega até as 22h do mesmo dia para compras fechadas até as 13h.

Antes disso, a Netshoes já havia iniciado a entrega super expressa para itens de menos de 10 quilos na região metropolitana paulista, além de Rio de Janeiro (RJ), Recife (PE), Olinda (PE) e Jaboatão dos Guararapes (PE).

O movimento da Netshoes acontece em um momento em que as grandes empresas de e-commerce redobram o foco sobre a rentabilidade ao mesmo tempo em que ganham a atenção de investidores globais, na esteira da listagem em bolsa de representantes de peso do setor.

Em setembro, a oferta pública inicial de ações do gigante chinês Alibaba movimentou 25 bilhões de dólares na bolsa de Nova York. Na sequência, também abriram capital na bolsa de Frankfurt as alemãs Zalando, de varejo online de moda, e a investidora em varejo online Rocket Internet, que no Brasil controla a Dafiti.   Continuação...