November 12, 2014 / 4:13 PM / 3 years ago

Espanhola Telefónica vê ímpeto de recuperação apesar de queda no lucro

3 Min, DE LEITURA

MADRI (Reuters) - O grupo espanhol Telefónica indicou o crescimento da demanda por seus pacotes com serviços móveis, de TV paga e banda larga como evidência de uma recuperação, depois de divulgar nesta quarta-feira um recuo na receita e no lucro para os primeiros nove meses do ano.

A Telefónica, que viu uma queda de mais de um terço em sua receita e lucro principal na Espanha conforme consumidores com orçamentos apertados reduziram seus gastos com telecomunicações, está apostando na aceitação dos pacotes e em seus pesados investimentos em redes de fibra óptica.

A estratégia, no entanto, tem um preço. As margens em seu importante mercado doméstico continuaram a cair, recuando 2,7 pontos percentuais para 45,9 por cento nos primeiros nove meses até setembro.

O maior grupo de telecomunicações da Europa em receita teve uma queda de 9,4 por cento no lucro líquido durante o período, para 2,85 bilhões de euros (3,56 bilhões de dólares), pouco acima das previsões de analistas. O lucro operacional caiu 12,6 por cento para 12,33 bilhões de euros, e a receita diminuiu 10,9 por cento, a 37,98 bilhões de euros.

Tanto a receita quanto o lucro operacional foram atingidos por moedas mais fracas na América Latina, mas estes efeitos diminuíram entre julho e setembro e o desempenho da região continuou forte.

No Brasil, onde a Telefónica vem fortalecendo suas operações, o efeito cambial foi positivo no trimestre. A Telefônica Brasil comprou a GVT em setembro e agora está ponderando uma oferta pelos ativos da TIM.

Meta De dívida

A dívida líquida, um ponto fraco da Telefónica no passado, ficou em 41,2 bilhões de euros ao final de setembro, inferior ao patamar de 43 bilhões estabelecido como meta para o ano. No entanto, a dívida alcançou 44,9 bilhões de euros quando levadas em conta decisões corporativas ainda não refletidas nos resultados.

A Telefónica reconheceu que a geração de caixa prevista no que resta de 2014 não será suficiente para reduzir a dívida para 43 bilhões de euros, e anunciou que tomará medidas extraordinárias para alcançar a meta.

Em teleconferência com analistas, o diretor financeiro Ángel Vila disse que a companhia pode emitir mais bônus híbridos ou vender ativos no futuro próximo para atingir a meta.

Por Julien Toyer e Andrés González

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below