Batman enfrenta a noite mais sombria no final épico da série de games "Arkham"

terça-feira, 14 de julho de 2015 14:27 BRT
 

Por Renan Fagalde

SÃO PAULO (Reuters) - Após meses de atrasos e alguns defeitos espetaculares, "Batman: Arkham Knight" finalmente está chegando às mãos de gamers ao redor do mundo. Porém, a espera valeu a pena?

O quarto jogo na série Arkham vê o Homem-Morcego mais atormentado do que nunca enquanto ele tenta livrar sua amada Gotham do crime e da tirania. O título acaba sendo um final digno à saga iniciada em "Arkham Asylum", com uma trama que passa longe de um final feliz e que deve deixar os fãs da série bastante surpresos.

Além disso, a jogabilidade, embora não inovadora, refina bem características dos jogos anteriores da franquia que reinventou o maior detetive do mundo dos quadrinhos nos jogos eletrônicos, de modo muito parecido com o que a trilogia do "Cavaleiro das Trevas" de Christopher Nolan fez nos filmes.

Para os não iniciados, Arkham refere-se ao Asilo Arkham, para os vilões mais infames da cidade são enviados após serem capturados pelo Homem-Morcego e em volta do qual a série gira.

O novo jogo retoma a história de Batman cerca de um ano após os acontecimentos de "Arkham City". A morte do Coringa criou um vácuo de poder no submundo de Gotham e os supervilões restantes formaram uma aliança um tanto frágil, liderada pelo Espantalho, para eliminar o herói. Entre o grupo sinistro está o Arkham Knight, personagem original criado para o jogo.

MUNDO ABERTO

O capítulo final na série aclamada pela crítica, distribuída pela Warner Bros Interactive Entertainment, está nos holofotes da indústria de games há meses. O cronograma original previa o lançamento em outubro de 2014, mas a data foi adiada pois a desenvolvedora Rocksteady Studios queria mais tempo para melhorar o game.   Continuação...