Era de glamour da Samsung acaba e empresa tenta defender fatia no mercado de celulares

terça-feira, 4 de agosto de 2015 11:22 BRT
 

SEUL (Reuters) - Por quatro anos a Samsung aproveitou o sucesso de seus smartphones Galaxy, fazendo bilhões de dólares na competição com a Apple no mercado de aparelhos topo de linha.

Mas os próximos anos parecem que serão mais sombrios para a gigante de tecnologia sul-coreana, enquanto é forçada a cortar preços e aceitar margens menores para competir com rivais chinesas como Huawei e Xiaomi.

Por trás do entendimento da realidade pela Samsung está o fato de estar presa ao mesmo sistema operacional Android usado por seus competidores de baixo custo, que estão produzindo cada vez mais e melhores telefones próprios.

"A letra está dada há tempos para qualquer fabricante de Androids topo de linha: tão logo aparelhos inferiores se tornem 'bons o suficiente', não haverá mais razão para comprar uma marca de luxo", disse em Taipé o analista da Stratechery.com, Ben Thompson.

As margens da divisão de celulares da Samsung caíram 10,6 por cento de 15,5 por cento um ano antes, durante o segundo trimestre deste ano, apesar do lançamento em abril do aguardado Galaxy S6.

A Samsung disse na última semana que continuará tentando maximizar sua rentabilidade e participação no mercado, revelando planos de lançar novos celulares sofisticados com tela grande, bem como mais aparelhos com preços mais baixos.

Investidores e analistas afirmam que o grupo está certo em insistir em um mercado que traz montanhas de dinheiro para a companhia e impulsiona suas divisões de componentes eletrônicos. Mas eles dizem também que a Samsung não poderá competir com a Apple no mercado de aparelhos sofisticados com base apenas em hardware e vai continuar atrás da gigante norte-americana enquanto não conseguir um grande avanço tecnológico.

"Alguns parecem acreditar que um produto bem feito venderá bem, mas o Galaxy S6 mostrou que essa premissa está errada", disse Lee Seung-woo, analista do IBK Securities, prevendo que a margem de lucro da Samsung vai cair para 9,3 por cento este ano, o menor nível desde o lançamento do primeiro Galaxy S em 2010.