Kaspersy Lab teria falsificado malware para atingir rivais, dizem ex-funcionários

sexta-feira, 14 de agosto de 2015 18:33 BRT
 

SAN FRANCISCO (Reuters) - Uma das maiores companhias de segurança do mundo, a Kaspersky Lab, sediada em Moscou, tentou causar prejuízos aos rivais de mercado ao enganar os programas de antivírus para que classificassem arquivos benignos como maliciosos, de acordo com dois ex-funcionários.

Eles disseram que a campanha secreta tinha como alvo a Microsoft, AVG Technologies, Avast Software e outras concorrentes, enganando algumas delas para que deletassem ou desabilitassem arquivos importantes dos computadores de seus clientes.

Alguns dos ataques teriam sido ordenados pelo cofundador da Kaspersky Lab, Eugene Kaspersky, em parte para retaliar concorrentes menores que ele sentia que estavam imitando seus programas em vez desenvolver sua própria tecnologia, disseram.

"Eugene considerou este roubo," disse um dos antigos funcionários. Ambas as fontes requisitaram anonimato e disseram que estavam entre o pequeno grupo de pessoas que sabiam sobre a operação.

"Nossa companhia nunca conduziu nenhuma campanha secreta para enganar competidores para gerar falsos positivos para prejudicar suas posições de mercado. Tais ações são antiéticas, desonestas e sua legalidade é, no mínimo, questionável," disse a Kaspersky em uma declaração à Reuters.

Executivos da Microsoft, AVG e Avast anteriormente disseram à Reuters que partes desconhecidas tentaram induzir falsos positivos nos últimos anos mas, quando contatados esta semana, não tinham comentários para a alegação de que a Kaspersky Lab as tinha alvejado.

(Por Joseph Menn)