Promotores da Califórnia dizem que sistema de triagem do Uber não identifica criminosos

quinta-feira, 20 de agosto de 2015 17:22 BRT
 

SAN FRANCISCO (Reuters) - Promotores da Califórnia ampliaram seu processo civil contra o serviço online de compartilhamento de caronas Uber, alegando que sua checagem de antecedentes não incluiu pessoas condenadas anteriormente por assassinato e crimes sexuais, mostraram arquivos do tribunal.

Os advogados dos distritos de San Francisco e Los Angeles apresentaram uma emenda de reclamação contra o Uber Technologies na terça-feira, na qual afirmam que "falhas sistemáticas no processo de checagem de antecedentes do Uber" vieram à tona após sua primeira apresentação em dezembro.

A nova queixa diz que criminosos sexuais, ladrões de identidades, invasores de domicílio, um sequestrador e um assassino confesso passaram pelo processo de triagem da empresa e estavam dirigindo para a companhia até serem citados por fornecerem caronas ilegais.

"Eu apoio a inovação tecnológica. Inovação, no entanto, não dá permissão às empresas para enganar consumidores sobre problemas afetando sua segurança," disse o procurador do distrito de San Francisco, George Gascon, em comunicado.

O Uber disse em comunicado que seu sistema de triagem tem sido efetivo e, em alguns casos, mais efetivo que um sistema diferente utilizado pelas empresas de táxi.

"Continuamos a trabalhar para melhorar a segurança para passageiros e motoristas antes, durante e depois da carona," disse a empresa.

(Por Curtis Skinner)