Loucura de selfies em locais perigosos leva autoridades a alertarem sobre riscos

quinta-feira, 3 de setembro de 2015 10:22 BRT
 

Por Matt Siegel

SYDNEY (Reuters) - A onda das selfies em alguns dos mais belos, e perigosos, lugares do mundo está levando autoridades a tomarem uma série de medidas para evitar riscos que já causaram mortes horríveis no mundo todo.

O ato de tirar uma foto de si mesmo com um telefone celular, se colocando no centro do acontecimento, explodiu em popularidade nos últimos anos, envolvendo desde a rainha Elizabeth 2ª, da Grã-Bretanha, ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

Mas a selfie também inspirou uma onda de situações de risco e comportamento público ofensivo, questionando os limites da segurança e de decoro, seja em fotos de pessoas penduradas em edifícios ou posando com explosivos de verdade.

Vários governos e órgãos reguladores já começaram a tratar a selfie como uma séria ameaça para a segurança pública e a promover campanhas educadionais que lembram as lançadas contra o tabagismo e o consumo excessivo de álcool.

Dezenas de mortes e lesões horríveis relacionadas com selfies no início de 2015 levaram o Ministério do Interior da Rússia a emitir uma campanha de alerta a ávidos usuários de celular sobre o perigo de, entre outras coisas, posar para uma selfie com um leão.

Em junho, dois homens morreram nos Montes Urais, na Rússia, depois de posarem puxando o pino de uma granada de mão. Em maio, uma mulher sobreviveu depois de atirar na própria cabeça em seu escritório de Moscou, e, um mês depois, uma universitária de 21 anos morreu ao cair de uma altura de 12 metros quando posava pendurada em uma ponte em Moscou.

Na quarta-feira, no Estado norte-americano do Texas, um homem de 19 anos, pai de duas crianças, morreu após atirar em si mesmo no pescoço durante uma selfie. No Parque Nacional de Yellowstone, funcionários preocuoadis emitiram alertas depois que cinco pessoas tirando selfies foram chifradas por búfalos, dos quais se aproximaram muito.