Alcoa planeja novo centro de P&D para processos avançados de impressão 3D

quinta-feira, 3 de setembro de 2015 14:05 BRT
 

CHICAGO (Reuters) - A Alcoa anunciou nesta quinta-feira que investirá 60 milhões de dólares para ampliar seu centro de pesquisa e desenvolvimento na Pensilvânia, para explorar maneiras de tornar a impressão 3D viável em escala industrial para produzir peças para os setores aeroespacial, automotivo e de construção.

A decisão faz parte da estratégia da Alcoa de investir em produtos mais avançados para os setores aeroespacial e automotivo enquanto vende algumas de suas instalações mais tradicionais, porém caras, de fundição.

Em um processo também conhecido como fabricação aditiva, as impressoras 3D constroem peças de metal tridimensionais adicionando e aquecendo pó de ligas metálicas, que são então tratados em uma forja para tornarem-se mais fortes.

O processo 3D vem sendo usado para criar protótipos há 25 anos, mas só agora está entrando na produção normal.

O vice-presidente de tecnologia da Alcoa, Ray Kilmer, disse que as ligas disponíveis atualmente são caras, e que parte do foco do centro ampliado de P&D será explorar novas ligas de alumínio, titânio, níquel e outras ligas metálicas.

"Os pós (de ligas) precisam ser melhorados, eles ter eficiência de custo e funcionar melhor no processo de fabricação aditiva", disse Kilmer. "O novo agora é que as máquinas estão ficando melhores, mais rápidas e mais baratas. A Alcoa está entrando no processo para que possamos levar o desempenho e o custo até onde precisam estar."

(Por Nick Carey)