Companhias aéreas aumentam esforços para driblar riscos de cibersegurança

segunda-feira, 26 de outubro de 2015 19:34 BRST
 

DUBLIN (Reuters) - A indústria de aviação está aumentando os esforços para angariar apoio internacional coordenado na batalha contra as ameaças a companhias aéreas e passageiros por hackers e aqueles que visam a exploração de sistemas de tecnologia da informação.

A segurança da aviação comercial e a vulnerabilidade dos sistemas cruciais de voo a ciberataques se tornaram manchetes em abril, após um pesquisador de segurança alertar que havia conseguido invadir controles de voo por meio de sua unidade de entretenimento sob o assento.

Com Wi-Fi e aparelhos eletrônicos a bordo, companhias aéreas, aeroportos e companhias de controle de tráfego estão compartilhando mais informações do que nunca para tornar voos mais eficientes e lidar com o crescente número de passageiros.

Mas isto fornece mais interfaces que podem ser exploradas por hackers, disseram representantes da indústria aeronáuticas na conferência mundial de segurança em aviação, AVSEC (na sigla em inglês), que aconteceu nesta segunda-feira em Dublin. Aqueles que pretendem cometer delitos também sabem que atacar uma companhia aérea garantirá impacto máximo, disseram.

Como parte de iniciativas para fortalecer as defesas da indústria, uma equipe foi formada por associações líderes da indústria de aviação para trabalhar em uma declaração sobre cibersegurança e apresentá-la aos membros da unidade de segurança aérea da Organização das Nações Unidas no ano que vem.

"Proteger nossa indústria de ciberameaças é difícil, provavelmente uma das tarefas mais difíceis que enfrentamos porque não sabemos o que estamos encarando ou para o que temos de nos preparar," disse Jeff Poole, diretor geral da Organização de Serviços de Navegação Aérea Civil (CANSO, na sigla em inglês), destacando a rapidez com a qual a ameaça está se transformando.

(Por Victoria Bryan)