Grupos querem que EUA adotem regras duras de privacidade para banda larga

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016 18:04 BRST
 

WASHINGTON (Reuters) - Uma coalizão de grupos norte-americanos nesta quarta-feira pediu urgência à Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos (FCC, na sigla em inglês) para criar proteções de privacidade radicais para os usuários de banda larga do país.

Os grupos querem que os provedores de serviços de internet, incluindo linhas móveis e fixas, e empresas de TV a cabo e via satélite sejam submetidas a duras regras de privacidade.

Dentre as empresas que seriam afetadas estão AT&T, Comcast, Verizon e Cablevision.

"O papel crescente da internet na vida dos clientes significa um aumento potencial de vigilância", disse a carta ao presidente da FCC, Tom Wheeler, assinada pela União Americana de Liberdades Civis, Centro para Democracia Digital, Fundação de Fronteira Eletrônica, Cidadão Público e outros 54 grupos.

Críticos dizem que os provedores de banda larga já estão colhendo enormes quantidades de dados dos consumidores para uso em publicidade dirigida, escreveram os grupos. "Isto pode criar um efeito inibidor e aumentar o potencial para práticas discriminatórias derivadas do uso de dados", diz a carta.

Em novembro, Wheeler disse que esperava que a FCC abordasse práticas de privacidade nos meses seguintes para empresas que fornecem serviços de rede e consumidores saberiam o que está sendo coletado no uso de internet. Um porta-voz da FCC não quis comentar quando viria um anúncio.

(Por David Shepardson)