Presidente do Facebook tenta fazer pazes com indústria de telefonia

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016 19:12 BRT
 

BARCELONA (Reuters) - O presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, tentou fazer as pazes com as operadoras de telefonia móvel, das quais depende cada vez mais mas que estão entre suas maiores críticas.

Falando pelo terceiro ano seguido na feira anual de telecomunicações móveis Mobile World Congress, em Barcelona, Zuckerberg tentou mostrar que sua companhia pode ser uma valiosa aliada da indústria de telefonia celular.

O executivo descreveu um novo projeto no qual o Facebook está trabalhando com grandes empresas de telefonia móvel, incluindo Nokia, Deutsche Telekom e Intel, para ajudar a construir celeremente redes de telefonia celular mais rápidas a custos menores.

Mas enquanto listava as variadas maneiras pela qual a rede social está preparada para ajudar as operadoras a lidar com a espiral crescente de dados gerada pelo voraz apetite dos consumidores por conteúdo, ele também criticou e fez mais demandas ao setor.

Zuckerberg criticou as prioridades que estão sendo elencadas para as redes de telefonia celular 5G, que a indústria está se preparando para começar a despachar ao redor de 2020. O presidente do Facebook chamou estas redes de "conexões mais rápidas para pessoas ricas" e afirmou que as operadoras deveriam dedicar mais esforços para "terem certeza que todos no mundo tenham acesso à Internet".

Segundo Zuckerberg, atualmente mais de 4 bilhões de pessoas não têm acesso à Internet.

E para complicar ainda mais a relação do Facebook com o setor de telefonia móvel, Zuckerberg afirmou que vídeo será o próximo grande motor de crescimento da rede social, o que deverá colocar mais pressão sobre a infraestrutura atual de telecomunicações. Os usuários do Facebook assistem a mais de 100 milhões de horas de vídeos por dia.

Enquanto critica as operadoras, o presidente do Facebook também é um dos principais proponentes de novas câmeras de realidade virtual que ele afirma que serão uma aplicação muito popular para as redes 5G, mas que vai exigir enorme capacidade das redes.

Zuckerberg iniciou um giro pela Europa na segunda-feira que inclui uma visita a Berlim na quinta-feira.

O Facebook tem sido criticado na Alemanha nos últimos meses por conta de preocupações sobre privacidade de seus usuários e da resposta lenta da rede social a mensagens contra imigração publicadas por simpatizantes do neonazismo.

(Por Eric Auchard)

 
Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, faz discurso durante o Mobile World Congress em Barcelona. 22 de fevereiro de 2016. REUTERS/Albert Gea