Como hackear um brinquedo sexual: empresas de tecnologia alertam público para riscos cibernéticos

terça-feira, 15 de março de 2016 15:22 BRT
 

HANOVER, Alemanha (Reuters) - Não são apenas computadores e celulares que são vulneráveis a ataques cibernéticos, de acordo com a empresa de software Trend Micro. Com cada vez mais aparelhos conectados à Internet, isso pode acontecer com qualquer dispositivo, desde equipamentos médicos a maquinário industrial - e mesmo brinquedos sexuais.

Para ilustrar a observação, o porta-voz da Trend Micro, Udo Schneider, surpreendeu jornalistas em uma coletiva de imprensa esta semana ao colocar um vibrador pink na mesa à sua frente e então ligar o aparelho ao digitar algumas linhas de códigos de programação em seu laptop.

Embora a façanha tenha provocado risinhos tímidos, a mensagem foi preocupante. Com a explosão do número de aparelhos inteligentes e interativos conectados à Internet, são crescentes as preocupações sobre a falta de segurança e de consciência de consumidores e funcionários.

"Se eu controlo remotamente um vibrador é apenas engraçado", disse o diretor de tecnologia da Trend Micro, Raimund Genes, a repórteres na feira de tecnologia CeBIT, em Hanover.

"Mas se eu chegar ao final do processo, posso chantagear a fabricante", ele adicionou, referindo-se ao sistema de programação por trás da interface do aparelho.

A Alemanha, que está sediando a CeBIT e é lar de fabricantes mundialmente famosos, oferece ótimas opções para hackers, e ataques em instalações industriais estão aumentando, de acordo com o último Relatório de Segurança de TI do governo.

(Por Caroline Copley)