Presidente-executivo do Uber pode enfrentar processo sobre preços fixos nos EUA

quinta-feira, 31 de março de 2016 19:25 BRT
 

NOVA YORK (Reuters) - O presidente-executivo do Uber Technologies, Travis Kalanick, não conseguiu obter nesta quinta-feira o encerramento de um processo antitruste que o acusa de formar um esquema para elevar os preços para passageiros que usam o popular serviço de transportes urbanos.

O juiz distrital norte-americano Jed Rakoff, em Manhattan, disse que Kalanick deve enfrentar queixas de que conspirou com motoristas para garantir a cobrança de preços estabelecidos por um algoritmo do aplicativo do Uber, incluindo "elevação de preços" durante os períodos de auge da demanda.

Passageiros liderados por Spencer Meyer, de Connecticut, alertaram que motoristas conspiraram com Kalanick para cobrar taxas estabelecidas pelo algorítmo, com conhecimento de que outros motoristas do Uber fariam o mesmo, mesmo que pudessem faturar melhor agindo por conta própria.

Rakoff disse que os demandantes "plausivelmente alegaram conspiração" para fixar preços desta maneira e também podem apresentar queixas de que as ações de Kalanick prejudicaram rivais como o Sidecar, permitindo que o Uber comandasse 80 por cento dos transportes gerados por aplicativos.

O processo de Meyer visa buscar o status de ação coletiva em nome dos passageiros do Uber em todo o país que usaram o aplicativo e uma parte dos passageiros que foram sujeitos ao aumento dos preços.

O Uber recebe uma parte da receita que os motoristas geram. A empresa sediada em San Francisco não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários. Um porta-voz do escritório de advocacia de Kalanick encaminhou o pedido de comentários ao Uber.

(Por Jonathan Stempel)