Ciberataque é ameaça tão grande quanto mísseis do Irã e Coreia do Norte, diz almirante dos EUA

quinta-feira, 14 de abril de 2016 20:49 BRT
 

Por Andrea Shalal

WASHINGTON (Reuters) - Constantes ciberataques dirigidos à Agência de Defesa contra Mísseis dos Estados Unidos e seus importantes programas de armas representam um risco tão grande quanto os mísseis balísticos intercontinentais do Irã e da Coreia do Norte, afirmou nesta quinta-feira o almirante que comanda a agência.

O vice-almirante James Syring disse a um subcomitê de Serviços Armados da Câmara dos Deputados dos EUA que a agência havia tomado medidas “extremas” para defender as suas redes, mas que continuava preocupada com as potenciais vulnerabilidades nos prestadores de serviços na área de defesa.

A agência desenvolve e administra um sistema de defesas contra ataques de mísseis balísticos por inimigos em potencial. O sistema inclui mísseis interceptadores no Alasca e na Califórnia e equipamento sofisticado de radar para detectar ataques.

Syring declarou que a agência realiza monitoramento contínuo das redes confidenciais ou não, mas disse que ciberataques estão cada vez mais dirigidos contra prestadores de serviços privados e informações técnicas que eles guardam nas suas redes.

"O que nós precisamos fazer é trazê-los para onde nós estamos em termos dos nossos níveis de proteção, e eu vejo isso como uma necessidade muito real, a muito curto prazo, no sistema de defesa”, afirmou ele.

Autoridades de defesa dos EUA têm se expressado cada vez mais sobre crescentes e constantes ciberataques vindos da China, Rússia e outros países.

Syring não respondeu diretamente quando perguntado sobre o conhecimento que ele tinha de ataques às redes da agência pela China ou por militares chineses, dizendo aos parlamentares que ele daria respostas completas durante uma reunião fechada.