Executivo da Oracle nega que empresa tenha comprado Sun Micro para processar Google

segunda-feira, 16 de maio de 2016 19:50 BRT
 

SAN FRANCISCO (Reuters) - A Oracle não adquiriu a Sun Microsystems em 2009 com o objetivo de lançar um processo de direitos autorais contra o Google, mas sim para proteger seus produtos que precisavam do software da Sun, disse o copresidente-executivo da Oracle, Safra Catz, aos jurados nesta segunda-feira.

Em um julgamento em um tribunal federal de San Francisco, a Oracle alegou que o sistema operacional para smartphones Android, do Google, violou seus direitos autorais em partes da linguagem de programação Java. O Google, da Alphabet, disse que deveria poder usar o Java sem pagar uma taxa sob a provisão de uso justo da lei de direitos autorais.

A Oracle adquiriu a Sun em 2010 e processou o Google após as negociações terem falhado. Se o atual júri decidir contra o Google em relação ao uso justo, então deve considerar o pedido da Oracle de 9 bilhões de dólares em danos.

O Google argumentou que a Sun deu boas-vindas ao uso do Java pelo Google, mas a Oracle conspirou para processar após adquirir a companhia.

No entanto, um advogado da Oracle questionou Catz sobre e-mails de 2009, nos quais o ex-presidente-executivo da Sun, Jonathan Schwartz, descreve uma disputa com o Google em relação ao Java.

"Ele nos disse que estavam conversando com o Google e estavam tentando fazer com que licenciassem o Java", disse Catz, observando que o Android é uma versão não autorizada do Java, porque o Google não tinha uma licença.

(Por Dan Levine)