Epson vê robôs com controle de força abrindo novos mercados

sexta-feira, 3 de junho de 2016 16:12 BRT
 

DUSSELDORF, Alemanha (Reuters) - A tecnologia desenvolvida pela Epson que permite que robôs realizem tarefas precisas, como colocar uma chave em uma fechadura e girá-la com a quantidade certa de força, deve abrir novos mercados para o grupo de impressoras, projetores e robótica.

O grupo japonês revelou essa semana um novo sensor de força piezo, baseado em sua própria tecnologia de impressões a jato de tinta que a tornou conhecida mundialmente, o que espera que dará à empresa uma vantagem conforme busca quintuplicar vendas da área de robótica na próxima década.

O sensor Micro Piezo, que se conecta à cabeça de um robô, permite que a máquina sinta seu caminho em um espaço com precisão entre 5 micrômetros ou 5 milionésimos de milímetro, uma melhora de cerca de dez vezes em relação aos atuais sensores de força, disse a Epson.

"Isto muda a maneira como robôs podem ser usados", disse o presidente-executivo, Minoru Usui, à Reuters. "Nós achamos que o potencial de mercado para o sensor de força é enorme."

O novo sensor custará 6.500 euros e é compatível com a variedade de robôs da Epson, elevando o preço total de um robô industrial em cerca de um quarto a um terço.

O mercado potencial está em países com baixos níveis de automação como China, Índia e Brasil, onde equipamentos e processos de precisão não são comuns, afirmou o diretor de vendas de automação fabril da Epson na Alemanha Dirk Folkens.

A China, maior mercado mundial de robôs industriais, ainda tem apenas 36 robôs para cada 100 mil funcionários, cerca de metade da média global. Mas o país está correndo para reduzir a distância, com a fabricante de eletrodomésticos Midea tentando comprar a especialista alemã em robôs Kuka por 4,5 bilhões de euros.

A Epson é a oitava maior fabricante de robôs do mundo, com uma base instalada 55 mil robôs usados principalmente na indústria eletrônica.

As vendas da área de robótica da Epson somaram 15,4 bilhões de ienes (141 milhões de dólares) no ano encerrado em março. A empresa tem meta de ampliar o número para 100 bilhões de ienes até 2026.