Pesquisa mostra disputa presidencial dos EUA empatada, com Hillary afetada por escândalo de emails

quinta-feira, 14 de julho de 2016 20:53 BRT
 

WASHINGTON (Reuters) - A corrida presidencial dos Estados Unidos está empatada às vésperas das convenções nacionais dos dois principais partidos do país, e a democrata Hillary Clinton está sendo prejudicada pela investigação do FBI, polícia federal norte-americana, sobre seu uso de emails no cargo de secretária de Estado, mostrou uma nova pesquisa de opinião nesta quinta-feira.

O levantamento New York Times/CBS News revelou que 67 por cento dos eleitores entrevistados disseram que Hillary não é honesta nem confiável, um aumento de 5 pontos percentuais em comparação com uma pesquisa da rede CBS no mês passado, antes de o FBI tornar suas descobertas públicas.

Enquanto Donald Trump se prepara para ser apontado como candidato republicano na próxima semana, a sondagem o mostrou em um empate virtual com Hillary em um confronto na eleição geral de 8 de novembro. Cada candidato recebeu 40 por cento de apoio --na pesquisa de junho Hillary tinha uma vantagem de 6 pontos percentuais.

A margem de erro da sondagem New York Times/CBS News, realizada por telefone entre 8 e 12 de julho com uma amostragem aleatória de 1.600 adultos de todo o país, incluindo 1.358 eleitores registrados, é de 3 pontos percentuais.

A pesquisa apontou que 62 por cento do eleitorado também desconfia de Trump.

"Mas as explicações oscilantes e inexatas da senhora Clinton a respeito de seu uso de emails no Departamento de Estado parecem ter ressoado mais fundo no eleitorado", escreveu o Times.

Na semana passada, o diretor do FBI James Comey disse que Hillary foi "extremamente descuidada" no trato de informações sigilosas, mas que a investigação não encontrou indícios de que ela ou seus colegas tencionaram violar as leis.

O levantamento New York Times/CBS News ecoa as descobertas de uma pesquisa da Universidade Quinnipiac divulgada na quarta-feira que mostrou Trump pouco à frente de Hillary nos assim chamados Estados pêndulos da Flórida e da Pensilvânia, onde a ex-senadora de Nova York e ex-primeira-dama perdeu terreno nos quesitos honestidade e padrões morais.

Em contraste com a pesquisa Times/CBS, uma sondagem Reuters/Ipsos divulgada na terça-feira apontou uma vantagem de 13 pontos percentuais para Hillary em nível nacional e um apoio de 46 por cento diante dos 33 por cento de Trump entre os eleitores prováveis --o voto é facultativo nos EUA.

(Por Doina Chiacu)