Juiz nos EUA proibe Uber de usar informações de background em processo em NY

segunda-feira, 25 de julho de 2016 14:04 BRT
 

NOVA YORK (Reuters) - Um juiz federal nos Estados Unidos proibiu nesta segunda-feira o Uber e seu presidente-executivo Travis Kalanick de usarem informações obtidas numa checagem de antecedentes num processo sobre preço, afirmando que a empresa que conduziu as investigações se envolveu em uma conduta criminal.

O juiz distrital Jed Rakoff de Manhattan disse que a empresa Ergo cruzou a linha quando o investigador não licenciado mentiu para amigos e conhecidos do autor do processo Spencer Meyer em uma tentativa de desenterrar informações depreciativas sobre ele e seu advogado.

Rakoff criticou o investigador por reivindicar a busca de informações sobre "vai-e-vem de pesquisadores em conservação ambiental", quando o propósito real mais provável era intimidar Meyer ou prejudicar o seu caso sobre práticas de preços do Uber, o serviço de compartilhamento de carros.

O juiz disse que a Ergo estava "envolvida em conduta fraudulenta e, possivelmente criminosa" e que muitos dos documentos que procurou proteger "foram destinados a facilitar esta atividade fraudulenta e, possivelmente criminal."

Os advogados de Ergo, Uber e o autor do processo não responderam imediatamente aos pedidos de comentários. Rakoff disse que o Uber e Kalanick não se opuseram a uma proibição de seu uso de informações recolhidas pela Ergo, contanto que eles não admitam irregularidade.

(Reportagem de Sudip Kar-Gupta e Danilo Masoni)