Elliott pressiona reestruturação na Samsung e coloca planos de família fundadora sob o foco

quinta-feira, 6 de outubro de 2016 09:04 BRT
 

Por Se Young Lee

SEUL (Reuters) - As ações da Samsung Electronics avançaram para máximas recordes nesta quinta-feira depois que o fundo ativista Elliott Management apresentou propostas não solicitadas para uma reestruturação corporativa radical na maior fabricante de smartphones do mundo.

Uma tentativa do fundo de hedge dos Estados Unidos para transformar o maior conglomerado da Coreia do Sul no ano passado fracassou. Mas os investidores e analistas disseram que a última jogada do Elliott poderia abrir o caminho para a família fundadora Lee abraçar a mudança, cimentando o seu domínio, uma vez que negocia a sucessão de seu patriarca enfermo para a próxima geração e um robusto projeto de lei de imposto sobre herança.

A abordagem na quarta-feira pelo Elliott, que detém 0,62 por cento da Samsung Electronics, acontece enquanto o gigante de tecnologia enfrenta novas reivindicações de problemas com seu smartphones Galaxy Note 7, com uma notícia de que um aparelho começou a soltar fumaça dentro de um avião nos Estados Unidos na quarta-feira.

A Samsung disse que vai "analisar cuidadosamente" as propostas do Elliott para dividir a empresa em uma holding e uma empresa operacional, bem como um dividendo de 30 trilhões de wons (27 bilhões de dólares) dos 70 bilhões de dólares do seu caixa.

As ações subiram 5 por cento no maior preço do dia, para um novo recorde, antes de fechar com acréscimo de 4,5 por cento.

O futuro da Samsung, incluindo os seus planos de sucessão, tem sido um assunto de intenso escrutínio desde que o patriarca do grupo, Lee Kun-hee, agora com 74 anos, foi incapacitado por um ataque cardíaco em maio de 2014.

(Reportagem adicional de Hyunjoo Jin, Christine Kim e Joyce Lee em Seul e Nichola Saminather em Cingapura)