Apagando incêndios: Samsung luta para limitar os danos causados por recall de celular

quinta-feira, 6 de outubro de 2016 18:40 BRT
 

SEUL (Reuters) - Reuniões acaloradas, férias sacrificadas e equipes monitorando as redes sociais exaustivamente para rastrear quaisquer incêndios em telefones: a Samsung Electronics ainda está tentando desesperadamente limitar o dano de um recall global recorde anunciado mais de um mês atrás.

A Samsung disse que a maioria dos Galaxy Note 7 propensos a incêndios foram recuperados em importantes mercados, incluindo Estados Unidos e Coreia do Sul.

Mas o problema não acabou para a maior empresa listada em bolsa da Coreia Sul ou para o chefe da divisão de aparelhos móveis, Koh Dong-jin, que se curvou em um pedido de desculpas públicas no mês passado, menos de um ano após ocupar o cargo.

As esperanças da Samsung de finalmente seguir adiante após a crise levaram um golpe na quarta-feira. Um modelo já substituído começou a emitir fumaça em um avião norte-americano, disse a família proprietária do aparelho, levando a novas investigações por reguladores de segurança.

E, além disso, a Samsung está sendo pressionada por um dos fundos de hedge mais agressivos do mundo, o Elliott Management, a dividir a empresa e pagar 27 bilhões de dólares em dividendos especiais.

A crise é pior que qualquer outra que a empresa já enfrentou, disse um informante da Samsung, que não quis ser identificado devido à sensibilidade do assunto. "Ela impacta diretamente nossos produtos, nossas marcas e a confiança com os consumidores", disse esta pessoa.

A Samsung disse à Reuters em comunicado que não estava pensando em mudanças organizacionais ou de gestão e está focada no processo de substituição do Note 7.

(Por Se Young Lee; reportagem adicional por Eric Auchard, Deborah Todd, Jessica Toonkel e Sijia Jiang)

 
Galaxy Note 7 em sua cerimônia de lançamento em Seul, Coreia do Sul
11/08/2016  REUTERS/Kim Hong-Ji/File Photo