G7 estabelece diretrizes comuns de cibersegurança para setor financeiro

terça-feira, 11 de outubro de 2016 16:50 BRT
 

WASHINGTON (Reuters) - O grupo das sete maiores potências industrias disse nesta terça-feira que havia concordado sobre diretrizes para proteger o setor financeiro global de ciberataques, após uma série de roubos internacionais a bancos por hackers.

Os formuladores de políticas ficaram mais preocupados sobre a cibersegurança financeira após vários ataques ao Swift, sistema financeiro de mensagens global, incluindo o roubo de 81 milhões de dólares da conta do banco central de Bangladesh no Federal Reserve de Nova York em fevereiro.

"Os ciber-riscos estão ficando mais perigosos e variados, ameaçando interromper nossos sistemas financeiros globais interconectados", de acordo com as diretrizes acordadas pelos ministros das Finanças do G7 e dirigentes de bancos centrais.

As diretrizes, que autoridades descreveram como princípios não vinculativos, estavam em um documento de três páginas divulgado nos sites das agências de governo do G7. O G7 compreende Reino Unido, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e Estados Unidos.

A vice-secretária do Tesouro dos EUA, Sarah Bloom Raskin, disse aos repórteres em uma entrevista por telefone que as autoridades do G7 analisaram suas práticas de cibersegurança atuais e identificaram potenciais debilidades.

Um representante do Tesouro disse mais tarde que a diretriz era um esforço para encorajar os reguladores e as empresas a se aproximarem da cibersegurança, a partir de uma perspectiva de gerenciamento de riscos. O vice-presidente do Fed, Stanley Fischer, disse em comunicado que as diretrizes solucionariam os elos fracos na cibersegurança global.

(Por Jason Lange)