Consumidor endividado deve ter consolo em diversão eletrônica

segunda-feira, 1 de setembro de 2008 15:01 BRT
 

Por Nicola Leske e David Milliken

BERLIM (Reuters) - Os fabricantes de bens eletrônicos de consumo estão se preparando para um crescimento mais lento no segundo semestre deste ano e em 2009, mas contam com a idéia de que os consumidores vão recorrer mais ao entretenimento doméstico, em meio a dificuldades econômicas e aos orçamentos familiares menores.

"Quando as pessoas não estão ganhando muito dinheiro, cortam os gastos com itens maiores e compram coisas que podem tornar suas vidas um pouco melhores, como bens de consumo eletrônicos", disse Corinne Vigreux, co-fundadora da TomTom .

Vigreux espera que a fabricante de aparelhos de navegação via satélite passe, em larga medida, incólume pela desaceleração da economia na Europa e nos EUA, mas ponderou que o varejo está sendo "muito cuidadoso" com o nível de estoques na preparação para a temporada de final de ano.

Fabricantes de bens eletrônicos de consumo de todo o mundo foram a Berlim mostrar seus produtos na feira de eletrônicos IFA, que vai até 3 de setembro.

"O mercado geral em 2008 não parece muito bom, e o da Europa está ainda pior", disse Shin Ik Kang, presidente-executivo da LG Digital Display .

Uma desaceleração da economia mundial, a alta nos preços do petróleo e a crise no mercado imobiliário de risco (subprime) afetaram o cenário, acrescentou Kang.

As vendas no varejo na zona do euro registraram a maior queda da história em junho, e as do varejo britânico registraram em agosto a maior queda em pelo menos 25 anos.

Kang prevê que o mercado de televisores na Europa não mostre movimento, e viu certa relutância de parte de alguns grupos de varejo quanto a fazer pedidos, de maio para cá. Mas a LG ainda prevê que seu desempenho superará a média do mercado europeu.