ONU e Google lançam site de monitoramento da pobreza

quinta-feira, 1 de novembro de 2007 19:49 BRST
 

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou um site em parceria com o Google e a fabricante de equipamentos Cisco que mostrará como e onde o mundo está conseguindo ou não cumprir as Metas de Desenvolvimento do Milênio.

Autoridades da ONU e especialistas de fora da organização alertaram sobre a crescente dificuldade para o cumprimento das metas estabelecidas no ano 2000 e com prazo de conclusão previsto para 2015.

Os criadores do site (www.mdgmonitor.org) disseram que um acompanhamento mais eficiente do progresso na concretização das metas deve estimular os sucessos.

"Esconder-se dos problemas garante que eles se perpetuem", disse Michael Jones, tecnólogo-chefe do Google Earth, que integrou o sistema de imagens de satélite e mapeamento ao site para que os usuários possam ver os lugares mencionados.

O site reúne estatísticas de todo o mundo para oferecer um panorama sobre como cada país está progredindo em relação ao cumprimento das oito metas, que prevêem desde a redução na mortalidade infantil até a diminuição da fome.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que o site seria o primeiro a apresentar todas as informações sobre as metas em apenas um lugar, ajudando num monitoramento mais eficiente e ajudando a identificar os locais que precisam de mais atenção.

"Nosso placar mundial está misturado", disse Ban. "Algumas regiões, particularmente a África Subsaariana, não estão a caminho (de cumprirem as metas."

Ban reiterou que aproximadamente 1 bilhão de pessoas vivem com menos de um dólar por dia e que milhões de crianças morrem todos os anos antes de completar cinco anos devido à desnutrição.

Jones disse que contabilizar os esforços era essencial tanto para os negócios quanto para programas de desenvolvimento.

"Nos países que estão atrasados, o que eles mais precisam saber é que estão ficando para trás."

Este não é o primeiro projeto humanitário que conta com a participação do Google. A empresa trabalha juntamente com o Museu do Holocausto, nos Estados Unidos, para o lançamento de mapas detalhados no Google Earth sobre a crise na região de Darfur, no Sudão.