Cerca de 30 empresas disputam licenças para celular na Índia

quarta-feira, 3 de outubro de 2007 17:55 BRT
 

NOVA DÉLHI (Reuters) - O governo indiano recebeu cerca de 300 fichas de inscrição de aproximadamente 30 empresas interessadas em explorar o potencial de crescimento do mais quente mercado sem fio do mundo, afirmou o ministro de telecomunicações do país nesta quarta-feira.

A Índia, agora acrescentando cerca de 8 milhões de usuários de telefones celulares a cada mês, deve chegar a 500 milhões de assinantes em cinco anos, em relação aos 200 milhões atuais, o que tornaria o país um local atrativo para investimentos.

O ministro da área, Andimuthu Raja, se recusou a dizer a jornalistas sobre quantas empresas receberiam o sinal para irem adiante e iniciarem serviços de telefonia celular.

A pasta estabeleceu a segunda-feira como prazo limite para novas licenças e formou um comitê para estudar as fichas de inscrição. Os analistas dizem que levará vários meses até que o governo divulgue sua decisão.

O mercado de telecomunicações local, que tem sido impulsionado pelas tarifas mais baratas do mundo e por níveis de renda crescentes, está dividido entre 23 zonas e os candidatos podem buscar licenças para todas elas se quiserem.

Os novos candidatos variam entre empresas imobiliárias como a DLF, a Unitech e a Parsvnath Developers, passando pela fabricante de produtos diversificados Videocon Group.

As operadoras de GSM existentes querem que o governo dê a elas a preferência, já que muitas têm inscrições pendentes desde dezembro de 2006, quando o governo distribuiu licenças pela última vez, mas o ministro afirmou que haveria uma reunião com os representantes dos grupos para debater o assunto.

(Reportagem adicional de Sumeet Chatterjee em Bangalore)

(Por C. Jacob Kuncheria)