Tel Italia recebe nova diretoria, mas velhos problemas continuam

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007 12:15 BRST
 

Por Jo Winterbottom

MILÃO (Reuters) - O conselho da Telecom Italia deve confirmar na segunda-feira as mudanças no comando da maior operadora italiana de telecomunicações, pondo fim a meses de incertezas quanto à gestão do grupo sob seus novos proprietários. Mas ainda restam questões de estratégia.

Franco Bernabe, executivo sênior do Rothschild, será apontado presidente-executivo, e Gabriele Galtieri, antigo presidente do conselho do Mediobanca, assumirá a presidência do conselho da companhia. Os dois foram indicados na semana passada pelo influente banco de investimentos italiano, que é parte do grupo de investidores que tomou o controle da Telecom Italia em abril.

A decisão do Mediobanca põe fim a meses de disputas quanto à indicação dos executivos entre os parceiros na aquisição --que incluem a espanhola Telefónica ; o segundo maior banco italiano, o Intesa Sanpaolo ; a maior seguradora do país, Generali ; e a família Benetton.

Cesar Alierta, presidente-executivo da Telefónica, foi indicado para o conselho, enquanto seus parceiros do setor financeiro continuam disputando para decidir quem exercerá mais influência sobre o antigo monopólio italiano de telecomunicações.

A Telefónica, que pagou 2,31 bilhões de euros (3,39 bilhões de dólares) por sua participação na holding, quer ver benefícios do investimento; e sinergias de cerca de 250 milhões de euros ao ano foram sugeridas por analistas de ambas as empresas, que também têm operações na América do Sul, incluindo o Brasil.

Os novos executivos da Telecom Italia têm decisões sérias a tomar sobre postos de trabalho, geração de benefícios operacionais que agradem à Telefónica e separação da rede de telefonia fixa do restante do grupo, algo que o governo italiano deseja, mas que a companhia espanhola se opõe.

"A principal oportunidade... seria colocar em operação um plano de corte de custos no mercado doméstico", afirmaram analistas do Merrill Lynch em recente nota de pesquisa. "A Telefónica pode ajudar a estruturar os planos, mas os bancos italianos é que terão de negociar com as autoridades do país para garantir que seja implementado."