Nokia vê margem de lucro de 20% em celulares e ações caem

terça-feira, 4 de dezembro de 2007 10:06 BRST
 

Por Tarmo Virki

AMSTERDÃ (Reuters) - A Nokia informou na terça-feira que espera ter margem de lucro operacional de cerca de 20 por cento nos próximos um a dois anos em suas operações com celulares e serviços.

As ações da companhia chegaram a recuar mais de 4 por cento com o anúncio uma vez que muitos investidores esperavam uma projeção mais otimista para as importantes operações com celulares, que tiveram uma margem de 19 por cento até agora neste ano.

"As novas metas de margem deles não são tão boas, eles já estão nestes níveis", disse Leif Pettersson, analista da SEB.

A maior fabricante de celulares do mundo, que produz mais celulares que seus três rivais mais próximos juntos, afirmou que espera que todos os fornecedores combinados vendam 10 por cento mais aparelhos em 2008 que neste ano.

A Samsung Electronics, segunda maior do mundo no setor, previu na semana passada crescimento de 12 por cento para o mercado. A maior parte das outras empresas tem sido mais modesta em suas previsões.

A Nokia informou que planeja aumentar sua participação de mercado para acima dos 39 por cento que alcançou no trimestre passado.

A companhia domina o segmento de aparelhos de baixo custo, onde consegue tirar benefícios de economias de escala. A maior parte das outras empresas não é capaz de oferecer celulares atraentes por preços abaixo de 30 euros (44 dólares).

A Nokia acrescentou que espera ligeira elevação no mercado de equipamentos para infra-estrutura no próximo ano. As ações da companhia acumulam valorização de 78 por cento este ano, comparado com um índice do setor de tecnologia DJ Stoxx European praticamente estável.

A empresa informou ainda que fechou acordo com a maior gravadora do mundo, a Universal, controlada pela gigante francesa de mídia Vivendi, para oferecer todas as músicas do catálogo da Universal de graça por 12 meses a compradores de novos celulares musicais a partir do segundo semestre de 2008.

(Reportagem adicional de Niclas Mika em Amsterdã, Jerker Hellstrom em Estocolmo e Amanda Cooper em Londres)