Analista afirma que Yahoo valeria mais se fosse dividido

sexta-feira, 5 de outubro de 2007 13:11 BRT
 

NOVA YORK (Reuters) - O Yahoo valeria muito mais para seus acionistas se dividisse seus negócios de Internet ou iniciasse uma revisão geral da empresa, incluindo a saída da área de buscas da Web, mas a administração não deve fazer nada disso, segundo um relatório de um analista divulgado nesta sexta-feira.

Jeffrey Lindsay, analista no Sanford C. Bernstein, disse que as operações do Yahoo separadamente valeriam até 39 dólares por ação, em comparação com o atual preço de 27 dólares por ação.

As ações da empresa estavam em alta de 2,5 por cento, cotadas a 27,82 dólares às 12h23 de sexta-feira.

A empresa, que está atrás do Google Inc na área de buscas na Web e enfrenta maior competição no setor de serviços de e-mail, poderia valer até 45 dólares por ação se realizasse uma dramática revisão geral que incluiria a terceirização de seu sistema de buscas pagas, uma redução de 25 por cento no número de funcionários e a restruturação da exibição de suas propagandas online, segundo Lindsay.

"Parece que o Yahoo não vai tomar medidas audaciosas para colocar tudo nos trilhos", observou o analista em relatório. "Acreditamos que o Yahoo ainda tem potencialmente um valor intrínseco mais alto. Acreditamos, porém, que para interromper a inevitável queda a administração precisa considerar estratégias e medidas mais radicais".

O principal negócio de anúncios online do Yahoo parece ter se deteriorado, principalmente devido aos problemas da empresa em capitalizar sua rede de anúncios, apontou Lindsay.

Ele reiterou a classificação "market perform" (em linha com o desempenho do mercado) para os papéis da empresa, com 25 dólares de preço-alvo.

O analista disse que baseou sua avaliação do Yahoo considerando negócios separados na recente enxurrada de aquisições envolvendo propaganda na Internet, como a planejada compra da DoubleClick pelo Google, por 3,1 bilhões de dólares, entre outros fatores.

Lindsay recomendou ainda que o Yahood desista de competir em buscas pagas e terceirize esse segmento de seu negócio para o rival Google.

(Por Michele Gershberg)