Setor eletroeletrônico vê déficit comercial ainda maior em 2008

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007 17:00 BRST
 

Por Renata de Freitas

SÃO PAULO (Reuters) - O déficit da balança comercial da indústria eletroeletrônica deve superar os 20 bilhões de dólares em 2008, cifra 43 por cento superior ao saldo negativo recorde registrado este ano pelo setor.

O câmbio pesou nas vendas externas, mas também alimentou as importações para atender ao mercado interno aquecido. Em termos gerais, foi a demanda doméstica que assegurou faturamento 8 por cento maior para essa indústria em 2007, chegando a 112,4 bilhões de reais.

A diferença entre exportações e importações, recorde de 14,4 bilhões de dólares este ano, ficou 38 por cento além do volume de 2006. As exportações permaneceram estagnadas em pouco mais de 9 bilhões de dólares, enquanto as importações tiveram crescimento médio de 20 por cento, alcançando 23,7 bilhões de dólares.

"Nos últimos três anos, este déficit cresceu cerca de 100 por cento e a tendência é de que continue essa trajetória, se for mantido o crescimento da economia e as difíceis condições de competitividade do país", informou a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) no balanço anual, divulgado nesta quinta-feira.

A associação trabalha com cenário de crescimento econômico de 4 por cento da economia brasileira em 2008 e de manutenção da taxa de câmbio no patamar atual.

TRANSIÇÃO TECNOLÓGICA

As novas tecnologias também são um vilão da balança comercial do setor. A avaliação da Abinee é de que tem havido uma "desagregação de valor local" em produtos como computadores, televisores e até telefonia celular. As importações nas áreas de telecomunicações e informática cresceram 56 por cento e 30 por cento, respectivamente.

A expansão do mercado de notebooks no país é um bom exemplo. Com uma indústria de componentes muito reduzida, a indústria brasileira agrega algum valor ao computador de mesa (desktops), mas menos ao notebook.   Continuação...