November 6, 2007 / 12:17 PM / 10 years ago

Google entra no mercado de telefonia móvel

5 Min, DE LEITURA

Por Eric Auchard e Sinead Carew

SAN FRANCISCO/NOVA YORK (Reuters) - O Google anunciou no final da segunda-feira que vai oferecer um sistema de software para que a Internet funcione tão bem nos celulares quanto em computadores, em um esforço para promover mudanças em um setor estreitamente controlado.

Em sua estréia no setor de telefonia móvel, que há muito era alvo de boatos, a maior empresa mundial de Internet anunciou que começará na semana que vem a ingressar no segmento, permitindo que programadores independentes utilizem seu software, conhecido como "Android". Com isso, a companhia espera que celulares baseados em sua tecnologia sejam lançados no segundo semestre de 2008.

O Android é baseado em tecnologia Linux que pode ser adaptada livremente por produtores de software e hardware.

A operadora móvel T-Mobile, da Deutsche Telekom, começará a vender celulares com base no software Google em 2008. A China Mobile, maior operadora mundial de telefonia celular, as japonesas NTT DoCoMo e KDDI e a operadora européia e latino-americana Telefónica também anunciaram que estão trabalhando com fabricantes de aparelhos para desenvolverem celulares com o software do Google.

A companhia, que não tem planos imediatos de produzir celulares com sua marca, anunciou a formação de uma aliança com 33 empresas, entre as quais as fabricantes de celulares Motorola, Samsung Electronics e High Tech Computer .

"Nossa esperança é que milhares de modelos diferentes de celulares sejam acionados pelo Android", disse Eric Schmidt, presidente-executivo do Google, a jornalistas, em uma entrevista coletiva depois do anúncio.

O Google afirmou que não está com pressa em ver operadoras de telefonia móvel alterando a maneira pela qual cobram por seus serviços, mas afirmou que novas maneiras de faturar, como serviços bancados por publicidade, no futuro se tornarão possíveis.

"Vamos primeiro colocar em operação a plataforma tecnológica necessária, e mais tarde descobriremos como ganhar dinheiro com ela", disse Andy Rubin, o executivo encarregado pelo desenvolvimento dos planos de telefonia móvel do Google, em entrevista à Reuters. "Não teremos um celular operando com esse sistema e com seus custos completamente bancados por publicidade, por enquanto", afirmou ele durante uma entrevista.

Uma vez que o Google está oferecendo o software de graça, Rubin disse que as operadoras poderão repassar economias de custo de 10 por cento aos consumidores, via subsídios de aparelhos ou tarifas mensais menores.

O Google tem interesse em acordos de compartilhamento de receitas com as operadoras móveis que concordarem em reduzir cobrança mensal de serviços de dados, o que expandiria a audiência potencial da Web em celulares, afirmou o executivo.

A estratégia coloca o Google de frente contra sistemas rivais de software para dispositivos móveis fornecidos por Nokia, Microsoft e Apple, fabricante do iPhone. Uma série de parceiros do Google informou que continuará trabalhando com sistemas concorrentes.

Tradicionalmente, as operadoras celulares exercem um controle elevado sobre software e serviços que os usuários podem usar em seus aparelhos e geralmente ficam com uma parcela considerável de receita obtida com a venda de serviços de terceiros a seus clientes.

Em contraste, o Google afirma que o Android não faz diferença entre as funções principais de um celular --geralmente pré-instaladas pelos fabricantes ou operadoras-- e qualquer outra aplicação independente adicionada pelos usuários mais tarde.

A empresa de pesquisa Strategy Analytics estima que o Android estará em 2 por cento dos celulares inteligentes em 2008. Apesar disso, segundo o Yankee Group, os celulares inteligentes serão apenas 6 por cento do total do mercado de telefonia móvel dos Estados Unidos este ano.

(Reportagem adicional de Gina Keating em Los Angeles, Georgina Prodhan em Frankfurt, John Bowker em Londres, Scott Hillis em San Francisco, Daisuke Wakabayashi em Seattle, Tarmo Virki em Helsinque e Adam Cox em Estocolmo)

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below