América Latina vive desafios semelhantes em telefonia

segunda-feira, 7 de julho de 2008 15:39 BRT
 

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO (Reuters) - Os países da América Latina vivem, neste momento, desafios muito parecidos no que se refere à regulamentação do setor de telecomunicações. Por isso, os órgãos reguladores dos países da região têm discutido formas de trocar experiências na hora de modernizar as regras.

O Brasil assume a presidência do Regulatel (Fórum Latino-Americano de Órgãos Reguladores de Telecomunicações) em outubro deste ano, justamente em um momento em que o país revê todas as regras que nortearam o segmento nos últimos 10 anos, desde a privatização do setor.

Antes mesmo de tomar posse, o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Ronaldo Sardenberg, informou nesta segunda-feira que fará visitas a países do bloco, como Argentina e Peru, para iniciar "conversas bilaterais".

"O objetivo não é ter uma regulamentação única, mas compartilhar experiências e trocar idéias", explicou ele, ao participar da 11a Cúpula de Reguladores e Operadoras de Telecomunicações.

Segundo ele, a participação do Brasil no Regulatel, neste momento, ganha importância porque "a empresa espanhola e a mexicana têm presença em todos os países da região", afirmou, referindo-se ao grupo Telefónica e Telmex/América Móvil, respectivamente.

Além disso, acrescentou, "a nova empresa em vias de surgir poderá também ter a mesma abrangência", em uma referência aos planos da Oi, após a compra da Brasil Telecom . A companhia anunciou em abril que está nos seus planos ter cerca de 100 milhões de assinantes em 2010, dos quais 30 milhões fora do Brasil.

DESAFIOS COMUNS

O pesquisador Raul Katz, da Universidade de Columbia (EUA), apontou as semelhanças. Todos os países vivem o desafio de regulamentar a convergência tecnológica, diante do avanço da tecnologia, e todos também enfrentam a necessidade de ampliar a inclusão digital da população.   Continuação...