Suspensão da cobrança do ponto extra derruba ações da NET

segunda-feira, 9 de junho de 2008 14:05 BRT
 

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO (Reuters) - A suspensão, por 60 dias, da cobrança do ponto extra de TV paga na casa do assinante, determinada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) a partir desta segunda-feira, leva as ações da NET a liderarem as perdas da Bovespa. Há pouco, os papéis sofriam queda de 4,68 por cento, negociados a 20,97 reais.

A companhia é a maior empresa de TV por assinatura do país em número de clientes e o impacto da suspensão, segundo estimativas do analista Felipe Cunha, da Brascan, poderá ser de 5 por cento da receita líquida no período de 60 dias -- ou algo como 3 por cento em todo o trimestre.

Representantes da Net não estavam imediatamente disponíveis para falar sobre o assunto.

Se o índice puder ser tomado como base para todo o segmento, o impacto nas empresas de TV paga do país será de algo como 333 milhões de reais, já que o faturamento de todo o setor em 2007 foi de 6,67 bilhões de reais, de acordo com dados da Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA).

"A questão é saber quais serão os próximos passos da NET", afirmou o analista Felipe Cunha, que considera remota a possibilidade de que a cobrança do ponto adicional volte. "Todos os indicativos que a Anatel tem dado são de que a cobrança do ponto extra não volta", afirmou o analista à Reuters.

Para Cunha, uma das alternativas que a NET pode adotar para reaver essa receita deverá ser o aumento gradual das mensalidades, mas tal medida terá o agravante de "refrear o crescimento da demanda", ponderou, especialmente entre as classes de menor poder aquisitivo.

Em comunicado distribuído ao mercado de capitais nesta segunda-feira, a companhia informa que, como ainda não existe uma decisão final sobre o assunto, "a NET continuará buscando alternativas de modo a respeitar seus clientes e não impactar sua receita".

A Anatel criou novas regras para preservar o consumidor de TV paga em dezembro passado, mas sua entrada em vigor aconteceu na segunda-feira passada.   Continuação...