Second Life e IBM fazem acordo para abrir mundos virtuais

quarta-feira, 10 de outubro de 2007 09:30 BRT
 

Por Scott Hillis

SAN FRANCISCO, Estados Unidos (Reuters) - A IBM e a Linden Labs, operadora do mundo virtual Second Life, vão trabalhar em conjunto para desenvolver formas de permitir que internautas utilizem um único personagem virtual em diferentes serviços online.

A interoperabilidade está se tornando uma das metas essenciais do segmento de mundos virtuais, que está começando a crescer e atraindo centenas de milhões de dólares em investimento, na esperança de que recursos gráficos semelhantes aos de videogames e ambientes tridimensionais detalhados venham a suplantar as páginas bidimensionais da Web.

No momento, os usuários que criam um personagem, ou avatar, em um mundo virtual não podem levar essa identidade com eles a novos serviços.

Criar um avatar detalhado pode demorar mais de uma hora, de modo que um sistema fechado desencoraja os usuários de abandonar o tempo investido em um dado serviço. Mas representa também uma barreira ao crescimento, já que poucas pessoas têm paciência de retomar o processo do zero em outros mundos virtuais.

Um sistema aberto permitiria às pessoas criar um avatar que mantivesse a mesma aparência básica e os dados de consumidor mais importantes, sem que sua localização no ciberespaço importasse.

"Isso vai acontecer, de qualquer forma", disse Colin Parris, vice-presidente de convergência digital da IBM. "Se você acha que está seguro por trás de seus muros, alguém terminará por criar alguma coisa aberta e as pessoas se afastarão de seu serviço o mais rápido que puderem."

A Linden Labs, cujo Second Life é um dos líderes no mercado de mundos virtuais, com cerca de meio milhão de usuários ativos, está apostando que um sistema aberto recompensará os mundos interessantes atraindo mais usuários, e punirá os tediosos com uma fuga de internautas.

Mas um sistema de passaportes virtuais como esse pode levar anos para ser desenvolvido, caso não termine vítima, antes disso, dos conflitos de interesses que ocasionalmente sufocam os esforços de desenvolver padrões para o veloz setor de tecnologia.