Indústria pornô dos EUA é desafiada por sites de Internet

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008 16:48 BRST
 

Por Adam Tanner

LAS VEGAS (Reuters) - Após anos de fortes vendas, sustentadas por videotapes, DVDs e Internet, a indústria de filmes adultos está sendo desafiada por sites com fáceis trocas de vídeos, oferecendo conteúdo explícito de graça.

"Estamos lidando com pirataria crescente, toneladas de conteúdo gratuito", diz Steven Hirsch, co-fundador da empresa Vivid, o mais famoso estúdio para filmes pornográficos.

As vendas de DVDs deram à Vivid 80 por cento do seu lucro de aproximadamente 100 milhões de dólares anuais, mas no ano passado esse número caiu para 30 por cento, disse Hirsch em entrevista.

O desafio da Internet, uma discussão presente na maior exposição de filmes adultos em Las Vegas neste ano, já é frequente na indústria da música e em outros tipos de entretenimento.

A maior parte da competição na Internet vem de sites como o canadense XTube.com, cujo formato é parecido com o do YouTube, do Google .

Alguns vídeos do XTube vêm de estúdios comerciais e outros são enviados por amadores. "Não somos piratas. Estamos fornecendo um serviço que as pessoas pensam que podem usar para piratear", afirmou Lance Cassidy, um dos fundadores do XTube.

O site tem 200 mil vídeos gratuitos, tipicamente com duração entre 30 segundos e dois minutos, e cerca de 1 por cento dos visitantes compram DVDs, resultando em milhões de dólares de receita anual, diz o diretor de vendas Curtis Potec. Cerca de dois terços dos usuários do XTube são gays, diz Potec. "Esse é o futuro da indústria adulta", disse Potec. "A maior parte do dinheiro está na propaganda, em qualquer site, comum ou adulto."

Scott Coffman, presidente de uma empresa de entretenimento adulto na Carolina do Norte, diz que a empresa começou como um site como o YouTube e um ano e meio atrás para gerar receitas por meio de propaganda e levar a sites de tráfego pago por minuto.

A empresa limita os vídeos a três minutos. Os usuários produzem aproximadamente um quarto deles."Eles não convertem isso muito bem quando você dá muito. Existe uma linha fina entre dar algo pequeno, um teaser... e dar a coisa toda", afirmou Coffman.