Bancos são criticados por falta de inovação tecnológica

quinta-feira, 12 de junho de 2008 14:58 BRT
 

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO (Reuters) - Uma agência bancária ainda tem hoje a mesma aparência de 30 anos atrás. O cliente, quando liga na central de atendimento ou se dirige a um terminal, não é identificado de imediato e precisa digitar diversas senhas para realizar cada operação. O uso do celular ainda engatinha.

Essas foram algumas das críticas que as instituições financeiras instaladas no Brasil receberam nesta quinta-feira, durante um congresso de tecnologia para o setor.

Os bancos, entretanto, avaliam que, depois do grande salto trazido pelos serviços de banco online, o que tem havido é uma consolidação de novos serviços a partir da Web. Inovações como uso do celular para pagamento de contas e a identificação do usuário por recursos de biometria (como a leitura da palma da mão ou da íris) ainda dependem de padronização, afirmam.

O executivo Elio Boccia, que dirigiu a área de tecnologia do Unibanco e hoje ocupa a mesma função na Medial Saúde, foi um dos primeiros a criticar. "Uma agência bancária é hoje exatamente igual a de 30 anos atrás", afirmou.

Para ele, o que acontece é que "há uma zona de conforto" entre bancos e empresas de tecnologia porque os bancos continuam a crescer e gerar rentabilidades e os fornecedores de tecnologia, por consequência, continuam a conquistar negócios.

"As ameaças são poucas", disse ele, o que reduziria o estímulo para que os bancos mudem.

TERCEIRIZAÇÃO

O presidente da HP para o Brasil, Mario Anseloni, afirmou que os bancos brasileiros já fizeram muitos avanços na infra-estrutura, nos sistemas de retaguarda. "A próxima onda deverá ser a personalização dos serviços em tempo real, para que o cliente possa ser atendido em qualquer lugar", disse.   Continuação...