Presidente do Google fala de bem, mal e medo de monopólio

quinta-feira, 12 de junho de 2008 10:25 BRT
 

Por Eric Auchard

SAN FRANCISCO (Reuters) - Eric Schmidt, presidente-executivo do Google, na quarta-feira detalhou sua teoria sobre a competição no setor de Internet, e ao mesmo tempo afirmou que o lema de sua empresa, "Não seja maligno", é muitas vezes incompreendido.

Em uma entrevista ao jornalista Ken Auletta, da revista New Yorker, Schmidt afirmou o slogan "Não seja maligno" tem por objetivo provocar o debate interno quanto ao que constitui comportamento ético da parte de uma empresa, em lugar de representar uma posição moral absoluta.

"Não temos um 'medidor de mal' que podemos aplicar para definir o que é bom e o que é mau", disse Schmidt diante de platéia formada por profissionais do setor de mídia, em um evento patrocinado pela Newhouse School, da University of Syracuse, em San Francisco.

Em outras frentes, Schmidt disse que o Google estava adotando uma postura paciente quanto a começar a faturar com a publicidade nos vídeos online, e que via os celulares como fonte de receitas potencialmente mais lucrativa em termos de publicidade.

O Google está trabalhando para transformar o YouTube, seu popular site de vídeos, em uma fonte de receita por meio de novas formas de publicidade que a empresa revelará ao longo do próximo ano, disse Schmidt.

Ele demonstrou cautela quanto a estimar o potencial de lucratividade do site. Por enquanto, o tráfego de vídeo no YouTube consome a maior parte da banda disponível na rede do Google. Mas ele disse que isso poderia levar à "criação de todo um novo setor."

"Não sabemos ainda como vamos faturar significativamente com o YouTube", disse Schmidt, "mas parece óbvio que deveremos ser capazes de tirar algum dinheiro disso."

O otimismo dele se baseia em dois fatos essenciais: "Sabemos que as pessoas estão assistindo" e "temos o conforto de dispor de tempo para investir."   Continuação...