Complexidade societária atrasa fusão Oi-Brasil Tel--analistas

quinta-feira, 13 de março de 2008 13:52 BRT
 

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO (Reuters) - Depois de abastecerem o mercado de capitais com fatos relevantes em janeiro, com notícias de que uma oferta poderia ser oficializada na semana do Carnaval, Oi e Brasil Telecom deixaram nos últimos dias o noticiário econômico e uma fusão parece um pouco mais distante.

Analistas consultados pela Reuters ainda acreditam que a operação saia, mas há os que não esperam uma solução antes de junho ou julho e há até quem não arrisque falar em datas.

"O mercado nunca teve essa expectativa de que o comunicado da oferta sairia no Carnaval", afirmou Luciana Leocádio, da Ativa Corretora.

Segundo ela, a complexidade da estrutura societária das duas empresas, a sobreposição e o cruzamento de controles e as pendências entre Citigroup e os fundos de pensão com o Opportunity são alguns dos fatores que impedem uma solução simples para uma aquisição desse tipo.

"Há muitas arestas que precisam ser aparadas", disse. Ela afirmou acreditar que a fusão saia, já que, na sua avaliação, "ela é intenção de todo o mundo", mas lembra que "não se trata de um dono só e os donos brigam entre si" nessas companhias.

Para ela, "falta um desenho societário que atenda aos objetivos de todos" e, por isso, ela prefere não arriscar uma data para que a suposta união se concretize.

A compra do controle da Brasil Telecom giraria entre 4,5 bilhões e 5,2 bilhões de reais, informou a Oi no início de fevereiro. Segundo estimativas feitas pelo site especializado Teleco, com base em números de 2007, Oi e Brasil Telecom deteriam 56,7 por cento dos acessos de telefonia fixa do país, 17,9 por cento das linhas de celular, 42,7 por cento dos acessos de banda larga.

A questão tributária em cima da cadeia societária das companhias é outra preocupação, na opinião de Eduardo Roche, analista do Banco Modal. Segundo ele, pode fazer diferença em termos de tributação se as companhias simplificarem a estrutura societária antes da fusão. "Uma especulação de mercado já estimou que a economia em impostos pode chegar a quase 1 bilhão de reais", disse Roche.   Continuação...