Proposta da Anatel pode afetar valor de compra da Brasi Teleco

sexta-feira, 13 de junho de 2008 15:40 BRT
 

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO (Reuters) - As novas regras propostas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) no Plano Geral de Outorgas (PGO) que vai a consulta pública na próxima semana podem fazer com que a Oi reveja o preço oferecido pelo controle da Brasil Telecom .

A opinião é de Eduardo Tude, da consultoria especializada Teleco, para quem a proposta de separar a telefonia fixa da banda larga em empresas distintas é negativa para o plano de compra da Oi.

"Isso deve afetar o valor da equação e pode obrigar a Oi a rever o valor do negócio", disse ele, em entrevista à Reuters.

Pelo acordo assinado entre as duas operadoras em 25 de abril, a Oi pagará 5,86 bilhões de reais pelo bloco de controle da Brasil Telecom, mas a transação total--que inclui as ofertas públicas pelas demais ações em circulação-- pode levar o valor para 12,3 bilhões de reais, de acordo com estimativas da própria Oi feitas na data do acordo.

De qualquer forma, Tude salienta que "o nível de informação que temos sobre o assunto ainda é muito superficial", já que a proposta foi divulgada na quinta-feira pela Anatel em uma coletiva à imprensa, mas o documento só estará disponível ao público com os detalhes na próxima terça-feira, quando entra em consulta pública por 30 dias.

"A simples separação da área de telefonia fixa da banda larga pode não ter nenhum impacto ou muito efeito, de acordo com o que as regras propõem", afirmou.

De acordo com as informações divulgadas pelos conselheiros à imprensa, a concessionária de telefonia fixa que quiser adquirir outra terá de criar empresas específicas para as atividades de telefonia fixa e de banda larga, como forma de estimular a competição no mercado de banda larga, que é o mais disputado por ser mais rentável.

Além disso, a Anatel vai exigir que a empresa que quiser deter concessão em mais de uma região seja obrigada a atuar nacionalmente. Nas regiões fora das áreas de concessão, ela terá de atuar como autorizada. Assim, ou ela atua em uma área de concessão ou em todas, sem meio termo.   Continuação...